Trabalhadores da EGF/Mota-Engil em luta

PROTESTO JUNTO À SEDE DA MOTA-ENGIL

{avatargalleria src=picasa search=useralbum string=$118015613481792339204/6286806635263590913$ responsive width=100% imgcrop=false cr=false swipe=false jquery=latest fullscreen=false info=true showcounter=false height=450px count=100 quality=original theme=september/}

Trabalhadores das empresas Amarsul, Valorsul, Valnor, Valorlis e Resiestrela do grupo EGF, concentraram-se durante a manhã de hoje, junto à sede da Mota-Engil, para exigir o aumento dos salários e o respeito pela contratação colectiva.

Decorridos mais de nove meses após a privatização da EGF, mantêm-se as medidas implementadas nestes últimos anos com o objectivo de liquidar direitos dos trabalhadores, desvalorizar o trabalho, reduzir as condições de segurança no trabalho e aumentar a carga laboral.

Na acção, promovida pelo SITE-SUL e o STAL, os trabalhadores condenam os baixos salários, congelados desde 2009, o incumprimento dos Acordos de Empresa em vigor na Amarsul e na Valorsul e denunciam a postura anti-negocial da Mota-Engil que se recusa a responder às propostas dos sindicatos.

Recorde-se que a EGF foi vendida ao consórcio liderado pela Suma, empresa do grupo Mota-Engil, num processo alvo de forte contestação por parte de autarcas, trabalhadores e populações, que acusaram o anterior governo PSD/CDS de criar um monopólio privado de resíduos sem paralelo na Europa, com gravíssimas consequências e perigos para a saúde pública e o ambiente.

Ver Resolução

STAL-Informa

Subscreva aqui a Newsletter e receba regularmente informação do STAL.

Partilhe connosco as suas preocupações